Pour nous joindre, cliquez psyp
Página inicial

Para contatar-nos

O Efeito Bumerangue

Nossos temas científicos

Órgãos genitais femininos

Nosso objetivo

A França e Deus

Ciência e Fé

Acesse nosso blog

Ler com música

Outros temas espirituais

A vida nasce do conhecimento

Sites amigáveis

O EFEITO BUMERANGUE

CAPÍTULO 7



No meu pequena nuvem



Onde ia?

Sabia-o então onde mim ia? Certamente não!

O dia seguinte manhã, ou seja algumas horas atrasado, tornamo-nos à este pequeno - almoçar “dos Homens de negócio do cheio Evangelho”, Meudon. Entendemos muito bonitos testemunhos, mas não se passou nada de particular para cada um denós.

Nada não tinha mais de passar-se para mim que teria podido receber, dado que aquilo mim tivesse chegado mais cedo algumas horas, ainda que não tinha ainda a compreensão.

Que tivesse recebido, não tinha obviamente nada a ver com que esperava, mas como teria podido esperar-o, dado que não o conhecia. Como podia a forma igualmente imaginar como minha vida é perturbada partir deste momento, enquanto que ainda não o tivesse vivido, embora mim o acima desde três semanas. Postos à parte esta imensa felicidade e estas algumas palavras que tivesse estado sobre o ponto de pronunciar e não compreender, tivesse havido, para mim que não conhecia a palavra de Deus a este respeito. Neste sábado, certamente mesmo ligeiramente limosa a ser-me deitada atrasado, não vivo absolutamente nada de alterado, não mais que de benfeitor. Sabia de resto que havia realmente algo de alterado nmim?

A segunda-feira seguinte, dois dias após por conseguinte, Marie-claude foi trabalhar da equipa da manhã, e de acordo com os nossos hábitos, fui reencontrar-o na cidade ao seu acórdão de autocarros no início da tarde. Havia muito mundo este dia lá, talvez havia festa qualquer, porque recordo-me que havia particularmente va-et-vient quando cheguei na rua pedestre. De comum, quando chegava à esta lugar, ainda que procurava Marie-claude do olhar, aproveitava sempre para fazer uma rápida volta de horizonte: Uma ou o outro, bom aubaine, uma bonita mulher a olhar ou seguir. “Os bons” dias, fazia geralmente um pequeno gancho ou alterava de passeio, a fim de encontrar-se em frente deela, para ter assim a oportunidade de cruzar o seu olhar, um sorriso…

Tinha então quarenta e dois anos, pensa quanto conhecia perfeitamente a minha maneira de fazer, e lá não se opôs nada à mim de modo que aja diferentemente. Também não era devido um conselho ou de uma regra que um ou outro tivesse-me ensinado, teria de resto é suficiente apenas um ou outro aconselha-me o de modo que reagisse ao oposto. Não! Reexamino-me ainda este dia lá, chegando muito banalement sobre o passeio oposto ao da loja Uniprix à época, quando de repente, uma vez mais à minha imensa admiração, mim tomado consciência que via os homens e as mulheres da mesma maneira! Também felizes de ver-o viver um único o outro! Tinha perdido de repente este desejo de seguir as mulheres, nem mesmo cruzar o seu olhar ou não sei que ainda.

Então aquilo!!! Posso dizê-los que aquilo foi para mim um verdadeiro milagre. Mim que até lá, sempre tinha sido forçado “dragar”! Mim que preferia deixar à casa as minhas crianças, quando descia na cidade o sábado fazer algumas corridas, por temor de encontrar alguma bonita mulher que não poderia seguir… Mim! Provava então esta felicidade maravilhosa de ver simplesmente as pessoas viver, olhar-o viver, numa felicidade que ainda nunca tivesse conhecido.

Se alguém de antemão tivesse-me pedido se conhecesse a felicidade, teria respondido irritado: “Mas obviamente, para que tomam-me”? E lá no entanto… A pessoas simplesmente olhar estes viver, provava então mais felicidade que qualquer que nunca tivesse conhecido até então…

Mim vividos estes momentos como sobre uma nuvem. Não podia compreender esta transformação, não mesmo realmente fazer a aproximação com que não conhecia ainda. Não me sabia com efeito, realmente baptizado Espírito-Santo. Sabia de resto actualmente que aquilo queria dizer? Não! Não o creio!

É atrasado realmente apenas três semanas, que comecei tomar consciência, quando Marie-Claude própria foi baptizado do Santo-Espírito. Combinamos então viver muitas etapas, muitas dificuldades, muitos combates, mas também e sobretudo, muitos momentos felizes. Vivemos naquilo muito de experiências que nos pareceram às vezes formidável, às vezes felizes, às vezes difícil, às vezes muito difícil, mas que muito de dia em dia nos revelaram mais ligeiramente o Amor de Deus em Jésus Cristo.

Recebemos ensinos às vezes excelentes, às vezes muito bons, às vezes bons, às vezes correctos  às vezes duvidosos…, mas lá ainda, quando provamos sem estar a pôr em dúvida, mas a fim de compreender e agir de acordo com o Espírito de Deus e a sua palavra, o Senhor ou confirmou-nos ou postos em guarda não seguir ou retomou-nos -nos nós.

Não temos naquilo nada de excepcionais, porque Deus é mesmo ontem, hoje e eternamente para cada um deos que querem segui-lo, e aceita pôr na prática os seus preceitos. Que Deus abençoe-os!

Início do livro Próximo Capítulo

Estas obras não pode fazer o objecto de nenhum comércio. É oferecido gratuitamente e informador pela

Associação CHRETIENS DE L'ESPOIR, 2 Impasse Saint Jean, 26110 VINSOBRES - França.

Tel. (33) 09 54 70 57 37 - cristaosdaesperanca@free.fr -Fax. (+33) 9 59 70 57 37 -  Siret N° 444.684.427 00016

Topo
Próximo Capítulo