Pour nous joindre, cliquez psyp
Página inicial

Para contatar-nos

O Efeito Bumerangue

Nossos temas científicos

Órgãos genitais femininos

Nosso objetivo

A França e Deus

Ciência e Fé

Acesse nosso blog

Ler com música

Outros temas espirituais

A vida nasce do conhecimento

Sites amigáveis

Só o Amor permanecerá

1 - A natureza humana e a igreja


1 - 1 - Da criação aos nossos dias


Desde que sua natureza tornou-se humana e que foi-lhe dado a possibilidade de comparação de seus comportamentos, o homem é confrontado por um lado, a vontade de Deus pela imagem recebeu-o através da consciência, por seus genes, e em segundo lugar, pela necessidade de educação da sua natureza, cujas bases mentais estão preparados para enfrentar um mundo animal , cujo ele deve tornar-se vitorioso. É lá toda a história o bem e do mal!

Se os diversos circuitos do nosso cérebro que têm acesso à nossa consciência não tinham nenhuma relação comum, seríamos por conseguinte cem para - cem humano ou cem para cem animal num corpo carnal às aparências similares, mas não é o caso. Dispomos com efeito “de um livre árbitro” que se encontra certamente ser ligeiramente uma astúcia quando avançamos sem nenhuma ajuda de Deus, porque nas nossas reacções espontâneas, continuamos a ser apresentados à nossa natureza animal que nos dá a impressão de ser os únicos mestres à bordo sobre esta terra. Este semblante de livre árbitro deve-se à grande evolução da nossa natureza animal, dotada de um coeficiente intelectual elevado e paralelamente uma possibilidade de abertura sobre vias espiritualas de natureza superior a nossa, que permitem então ao homem de exceder sua simples natureza animal e entrar num real livre árbitro, se ele faz um trabalho correcto sobre ele mesmo.

O homem pode escapar senão esta natureza originalmente desenhado para responder às regras de "sociedades", geradas por necessidades de sobrevivência da raça, uma implacável lei da selva, a lei de talião, em qual a razão do mais forte é sempre o melhor. As relações de força não são muito certamente centrada na capacidade física, mas existem todos os domínios da vida que pode conduzir uma superioridade. Trata-se então dos os mais astuciosos, ou o mais rico, ou o mais persuasivo, ou o mais mesquinho, o mais sedutor, mais acusador, o mais espiritual, o mais manipulador… Qualquer é bom para reinar sobre os outros ou simplesmente fazer-se aceitar, porque, para agir sobre o nossos congéneres, sabemos empregar as nossas capacidades intelectuais de uma maneira muito mais perversa que os animais próprios.

As capacidades intelectuais não têm por conseguinte nada a ver com o respeito e o Amor de outro, que nós está muito mais fácil de simular dissimulant os nossos erros de trás certas atitudes enganosas, por medo de ser descoberto em uma dimensão que consideramos inglória. Nesta dimensão animal, todo constrói-se com efeito o medo, pelo medo de desaparecer, o medo de ter mal, o medo da vergonha… Porque é na nossa superioridade que ficamos fracos, dado que a consciência  quem faz denós seres superiores aos animais, traz-nos igualmente a comparação das nossas actuações com os que deveríamos adoptar. No erro, estamos então na frente da escolha conceder as nossas faltas, se não temos já de uma compreensão total, ou cobrir-o disfarces “de boas” razões, menos válida o uma que os outros.

Esta falsa abordagem da consciência sobe à Adão e Eva, não em relação à sexualidade da qual muito guarda a imagem não “trincar a maçã”, mas pela maneira de fazer calar a nossa consciência para justificar os nossas reações ou nossos actos.  

Qualquer acto ou pensamento com efeito é conduzidos um ou o outro dos dois eixos espirituales directores existentes neste mundo, que chamamos “efectivamente ou mal”, ou ainda “carnal ou espiritual”. O primeiro eixo portador da nossa "espiritualidade" é, portanto, a natureza animal, anexada à dimensão do espírito humano. Este "espiritualidade" não é geralmente considerado espiritual, porque fazendo parte de uma gama abaixo da espiritualidade real de Deus, e este é um erro fundamental, o que leva o indivíduo a uma confusão entre ele e seu reações carnais, mas não lhe dá a compreensão da origem de seus comportamentos. Esta espiritualidade leva geneticamente nascimento submetido a espíritos e sentimentos carnais, mas continua a sua construção na infância, a fim de fazer uma correção do espírito básico através da educação possibilitando a socialização do indivíduo, para melhor assegurar a sobrevivência da raça. Portanto, nós não fazemos morrer essa lógica espiritual construída por espiritos carnais em estado de feto, pelas ações da fé, liderada pela espiritualidade de Deus, é esta primeira lógica construída em nós o estado do feto que continuará a ser a base do nosso guia. Esta lógica espiritual do espírito na verdade só é corrigida na infância, pela aprendizagem que geram sentimentos na adolescência, e não substituído como Deus quer nos levar para a vida adulta, para nossa maior felicidade.

É aqui toda a dimensão o bem e do mal, ou seja “carnal” e “o espiritual”, ou seja ainda pecado ou as vias de Deus.

Topo Continuação deste tema
Continuação deste tema Sua página anterior Início deste tema