Pour nous joindre, cliquez psyp
Página inicial

Contatos

O Efeito Bumerangue

Nossos temas científicos

Órgãos genitais femininos

Nosso objetivo

A França e Deus

Ciência e Fé

Acesse nosso blog

Ler com música

Outros temas espirituais

A vida nasce do conhecimento

Sites amigáveis

2 – As igrejas cristãs


2 - 1 – Por que as igrejas cristãs são diferentes dos outras?


O exemplo de Jésus Cristo não toma o mesmo valor se for examinado com um olhar ocidental ou o de um povo martyrisé às vezes em nome de Jésus ele mesmo, como foi o caso do povo Judaico em especial. Devemos por conseguinte relativizar qualquer acção dos homens para evitar confundir-o com a real vontade de Deus. Esta vontade de Deus é diluída  tanto mais que examinamos-o através dos excessos carnal das gerações anteriores, que confundiram frequentemente fé e presunções, incentivo do lucro e évangélisation, como sempre nos é tão fácil confundir os nossos motivos reais. Quantos homens, ao dia do seu comparecimento frente Deus, já têm-se entendidos dizer, este que outros inevitavelmente se entenderão dizer, através das palavras de Jésus em Matthieu 7-22/23: Vários dir-me -ão neste dia: Senhor, Senhor, não têm  prophétisé pelo teu nome? Não caçaram demónios pelo teu nome?  E não fizeram muitos milagres pelo teu nome? Então dir-lhes -ei abertamente: Nunca conheci-os, retiro demim, vocês que cometem a iniquidade.

Porque aquilo?

“A espiritualidade” charnal é uma lógica de amor egoísta limitado pelo medo, enquanto que a espiritualidade divino é uma lógica o Amor de outro compreendidos na sabedoria de Deus. Há por conseguinte duas possibilidades que dão uma aparência de progressão espirituala. A primeira, e mais simplista, é utilizar melhor o medo para dar a espiritualidade carnal uma aparência mais subtil, como sendo mais respeitosa de outros. O segundo é reescrever em nós uma lógica diferente, tanto na nossa alma como no nosso espírito, porque este último torna-se motor das nossas reações espontâneas por um circuito curto do cérebro.

É evidente que o trabalho realizado na pessoa não será do mesmo modo natureza e não trará ao indivíduo a mesma liberdade de coração e entusiasma de vida, de acordo com “o método” empregado, mas se observamos o resultado superficialmente, haverá geralmente apenas poucas diferenças, como vê-lo-emos no próximo parágrafo.

O trabalho realizado por um refinamento da influência do medo sobre o carnal, na verdade vem muito rapidamente para esconder as imperfeições pessoais aos olhos dos outros, até aceitar a restrição de hipocrisia pela sedução da alma, considerando a impossibilidade de agir de outra forma, como faz-o humanismo, mas em um objetivo louvável frequentemente dar razão para o "bem". Este trabalho está à imagem de um fino reboco sobre um muro existente a fim de mascarar decrepitude e fendas. Dá muito rapidamente a aparência profundo santificação, mas não pode fazê-lo sem que haja uma forma de dissimulação inteletual, que não permite de reagir de coração como Jésus Cristo viveu-o, e quer-dar-o a nós. Há muitos que crêem viver a fé, a confundem-la com uma religião simples, ao à qual dão razão. Este tipo de abordagem conduz inevitavelmente, ao longo dos anos, sectarisme mais ou menos formulado e tem um fanatismo destrutivo, que desacredita a Glória e o Amor de Deus o nosso Pai. Esta progressão é bastante compreensível, porque mais o estado da mente está enraizado na pessoa, mai a mínima  situação, diferente do seu conceito original, é interpretado por ela como um terremoto do qual  o outro é responsável. As paredes de seu edifício espiritual vacilam, colocando a pessoa em causa em necessidade para endurecer cada vez mais as suas regras de vida. A ação produzida está na imagem do emboçar e emboçar ainda, sobre a velha  e múltiplas camadas já são rachada, para preservar um edifício digno de aparência e evitar a parede portador manteve-se carnal a entrar em colapso. Isso não está na verdade a parede que suporta o gesso, mas o oposto. A pessoa confrontada com o menor conflito da vida diária, interpretará portanto como feridas profundas tudo o que difere de seus pressupostos iniciais; porque, ela pensa: por causa do "erro" ver a dureza de coração e maldade do outro.

É ainda como criar soi-même o edifício da sua alma sobre bases demasiado estreitas. progressivamente  que a sua personalidade afirma-se numa dimensão que interpreta como vindo de Deus, e que o seu ambiente próximo vem eventualmente em confirmação das suas atitudes, combate qualquer forma de perturbação externa que correria o risco de fazer oscilar o seu equilíbrio instável. Aquilo explica os seus combates contra o resto da sociedade bem como todas as regras e proibidos que põe sobre própria e o seu ambiente. 

O trabalho proposto por Jésus é de uma qualquer outra natureza. Jésus oferta à cada um reconstruir pedra por pedra toda a construção, sem estar a permitir o desabamento total do muro, para que cada um possa guardar a sua personalidade e a sua liberdade de acção individual. O trabalho realizado não terá talvez orgulhoso andamento ao longo de toda a sua restauração, como pode ser-o o disfarce de um crépit nove, e porá inevitavelmente muito mais tempos a realizar-se. O edifício uma vez terminado não será mais do mesmo modo certamente natureza, mas já que realiza-se para a sua totalidade ao longo de toda a nossa vida, as aparências imediatas às vezes podem dar razão à obra bâclé, ainda que os materiais utilizados não são de natureza também pura.

O edifício reconstrói por Jésus encontra-se ao oposto do primeiro. As suas bases abrangem qualquer nossa vida, em alguma circunstância que seja. A sua altura pode parecer fraca, mas espiritualmente igual à de Jésus, que venceu qualquer dominação e principado nos lugares celestiais, ela torna vencedora no seu tempo muito que há correctamente. Nada pode então empurrar o edifício, porque é construído sobre bases do Amor o seu Próximo, e não procura uma hipotética elevação pessoal.

Essa última atitude, portanto, exigirá um esforço de verdade permanente de coração, em um verdadeiro arrependimento em caso de erro, ao contrário do caso anterior em que a pessoa terá de enfrentar uma forma permanente de duplicidade enganosa, geralmente inconsciente. Sinceridade da pessoa não é com efeito a ser reposto em causa necessariamente, porque embora tente sempre desculpar-se por algum subterfuge que seja para dar-se boa consciência, enquanto não compreender que a gestão da sua fé continua a ser charnelle, não poderá sair do seu círculo infernal.

Se colocamos uma possível restrição para a sinceridade da pessoa, se não para a 99,9% dos cristãos sinceros, mas também para o restante 0,1%, que usam a vida cristã, como Judas Iscariotes, por motivo de ter razão de uma pessoa ou um determinado contexto. Essas pessoas usam fraudulentamente Deus em Jesus Cristo, como um meio de acção considerada necessária para atingir seus fins, sem perceber que são eles os trouxas. Nós não iremos aqui no este caso particular que desenvolvemos no Capítulo 15 O Efeito Bumerangue, mas enfatizar, porém, que na abordagem cristã, cada um continua a ser responsável pela sua própria purificação carnal que irá conduzi-lo se ele persevera com reações mais ou menos perto da verdadeira natureza de Deus e amor ao próximo. É evidente que qualquer igreja, qualquer religião, não tenta contudo de fazer entrar nos seus assuntos numa dimensão espirituans de natureza divina. Algumas vão até a justificar natureza à charnelle, considerando que homem é um bom, por conseguinte salvo, a partir que considera ele mesmo poder justificar de pelo menos 50% “de boas” acções.

Nas religiões deste tipo, a verdadeira espiritualidade de Deus, portanto, não é procurada mais, mas abre espaço para a operação carnal só melhor cota, da mesma lógica animal que construiu o assunto em si. Fazer o nosso próprio exame de consciência desta maneira é fazer um exame médico com ferramentas contaminadas, só que em vez de trazer à tona o erro óbvio, ele na verdade destacar a precisão. Não é mais para realmente saber se nossa vida está poluída ou não em conexão com a natureza divina, mas com nossa própria interpretação animal em sua sinceridade única. Se não analisamos através de uma "ferramenta" de natureza idêntica à a Lei espiritual de Deus, como podemos trazer para fora os erros?  Reencontramos esta atitude em diversas religiões e igrejas, mesmos monothéistes. O seu único objectivo é uma coabitação sem demasiado discordâncias, o idêntica das estruturas de sociedades animais, mas deixa realmente podê-lo todo à humanidade autodétruire, por meios tecnológicos dando-lhe uma potência desmedida em relatório da sua evolução espirituala continuada a ser arcaico.

É óbvio, que os fundamentos dessas religiões não têm nada comparável com as bases cristãs incluídas nas palavras de Jesus, que denuncia qualquer valor charnelle como péché, tão pequena ou seja, mas quem se dá uma base da lógica diferente da natureza animal, sem a qual qualquer esforço é inútil.

O que diferencia as religiões das fundações cristãs e outros, de facto, o que pode parecer para alguns como uma pequena "sutileza" educacional, se eles ainda não experimentado o batismo do Espírito Santo, quando é o oposto. Os uns partem de uma melhor exploração da natureza animal, enquanto que as religiões cristãs partem normalmente da nova redacção na uma lógica de acção e de reacções externa ao mundo animal, desde uma base de partida diferente que é o Baptismo do Santo-Espírito. Qualquer religião, mesmo monothéiste, não ensina por conseguinte as mesmas bases de valores fundamentais nascidas através Judaïsme, ainda que a sua luta parece idêntica para com a natureza charnelle e que o seu resultado global continua a ser um tanto similar à primeira vista.

Só o Amor permanecerá

Topo Continuação deste tema Início deste tema Sua página anterior Continuação deste tema